Pesquisar Este Blog

Carregando...

sexta-feira, 8 de janeiro de 2016

O poeta Gilmar Leite declamando o poema Rio Pajeú

Poetas Gilmar Leite e Arlindo Lopes sobre o Rio Pajeú

terça-feira, 22 de dezembro de 2015

O poeta Gilmar Leite declamando o soneto Jornada da Vida

domingo, 20 de dezembro de 2015



             Jornada da Vida

                          Ao poeta/amigo Edinaldo Leite

Fiz calos nos olhos de chorar tanto,
E nos pés, rachaduras das jornadas;
Muitas vezes perdi-me nas estradas
Me afogando nas lágrimas do pranto.

Outras vezes, senti os doces cantos,
Dos canários fazendo mil cantadas;
O cantar de mamãe nas madrugadas
Me embalando com dúlcido acalanto.

Entre prantos e risos me fiz gente,
Cultivando no peito uma semente
De um adulto com alma de criança.

As tristezas, sepulto no passado!
No presente germina o sonho alado
Das conquistas floridas de esperança.

                                       Gilmar Leite

sábado, 19 de dezembro de 2015

O poeta Gilmar Leite declamando o soneto Lírios de Poesia wmv

terça-feira, 15 de dezembro de 2015

O poeta Gilmar Leite declamando o soneto Sou Poeta

segunda-feira, 14 de dezembro de 2015



                   Meus Passos



Sempre sei como piso sobre o chão
O meu passo é discreto, com cuidado,
Eu evito trilhar descompassado,
Sufocando a nobreza de uma ação.

Cada passo, eu evito a contramão,
Conduzindo o meu gesto educado,
E procuro deixar no chão marcado
Os trajetos de um livre coração.

Os meus passos têm flores carinhosas!
No verão ou nas noites invernosas,
As pegadas têm plácidos abrigos.

Sem temer o relâmpago em lampejo
Cada passo que dou, levo meu beijo,
Pra enfrentar desafetos e perigos.

                                           Gilmar Leite
            Quando a vida...

Quando a vida se mostra numa flor
Ou no riso encantado da criança;
Resplandece a grandeza da esperança
Fulgurando o sol plácido do amor.

Uma essência sutil mostra o valor
Do perfume da vida numa dança;
Cada lírio do afeto logo alcança
O afago do sonho beija-flor.

Os orvalhos do beijo enternecido
Deixam o peito com tom mais colorido
Exalando da vida a pura essência.

Quando a música da vida nos beija
Uma paz no espírito lampeja
Clareando a campina de existência.

                                   Gilmar Leite.

quinta-feira, 10 de dezembro de 2015

O poeta Gilmar Leite declamando o soneto Meu Canto

segunda-feira, 2 de novembro de 2015

O poeta Gilmar Leite declamando o soneto Sombra e Luz

domingo, 1 de novembro de 2015

O poeta Gilmar Leite declamando o soneto A taça da Vida I

domingo, 25 de outubro de 2015

Abraço da Simplicidade I

sábado, 10 de outubro de 2015

O poeta Gilmar Leite declamando o soento A ética do Amor

O poeta Gilmar Leite declamando o soneto O Sentido da Vida

sexta-feira, 9 de outubro de 2015

O poeta Gilmar Leite declamando o soneto Ser Feliz

quinta-feira, 8 de outubro de 2015



                            


                    Apego

Entre os braços da vida sinto aconchego
Sob as plumas serenas da esperança;
E a minha alma poeta não se cansa
Sobre as brumas felizes do sossego.

Ter a paz, para mim, é um apego!
É a lei desde o tempo de criança,
E o afago da vida é uma dança
Nos lugares sensíveis quando chego.

Coisas simples me prendem me fascinam;
Pois são elas tarefas que me ensinam,
Ofertando a beleza da existência.

Minhas noites têm lírios de acalantos;
O pulsar do viver derrota os prantos;
E na paz, brilha a luz da consciência.

                                       Gilmar Leite

quarta-feira, 7 de outubro de 2015

Autoretrato

                          Insensato

Sinto um louco que vive perturbando
Desde quando me deito, todo o dia,
Eu procuro entender essa agonia,
E, confuso não sei para onde eu ando.

Minha mente só vive perguntando
Mas me perco, sem ter sabedoria;
Sinto o louco voraz que me vigia;
Seu emprego é viver me dominando.

Pra onde vou ele vai junto de mim;
E, procuro enganá-lo, por um fim,
Desde louco que me rouba a razão.

Insensato, sem lei, sem ser visível,
Este louco voraz, incorrigível,
Mora em mim: o seu nome é coração.

                                     Gilmar Leite